Entenda como Temer salvou seu Governo com estratégia política

Há um ano atrás, o presidente Michel Temer se deparou com a maior crise que o país já havia enfrentado, sendo necessário usar toda a sua inteligência e habilidade com o intuito de salvar sua candidatura no governo. No momento em que surgiram os famosos escândalos envolvendo os irmãos Joesley e Wesley Batista, que acusavam o presidente de ter pagado propina ao ex-deputado Eduardo Cunha, Temer moveu suas peças, tentando de todas as formas evitar o fim dramático de seu governo.

No momento em que ministros de uma forma desesperada se uniam com Rodrigo Maia (DEM*RJ) e mais cinco partidos pensavam em abandonar o governo, Temer mostrou ter um pensamento diferente, correndo contra o tempo. 

Com toda a sua experiência, o presidente tentou acalmar os aliados. Segundo fontes íntimas ao dirigente, uma atitude diferente ou mal planejada, poderia ser o suficiente para que seu apoio fosse por água a baixo e sua renúncia não pudesse ser mais evitada.

Com os pedidos de demissão de alguns mininstros e uma grande ameaça que outros iriam vir futuramente, Michel disse a frase "Tem que manter isso aí, viu", gravada pelo Empresário Joesley, indicando que o presidente apoiava os pagamentos do seu colega Eduardo Cunha, e afirmando que se tratava apenas de um apoio dado a família do ex-presidente da Câmara. Não há duvidas que Eduardo Cunha ajudou a implodir o governo da ex-presidente Dilma Roussef. Temer, por sua vez, nega todos os boatos de apoiar pagamentos para Cunha quando indagado pela mídia. 

Sua segunda estratégia, foi a idéia de negociar vantagens aos partidos aliados e ministros. Com essa decisão, foi comprometido seu governo, se tornando um grande refém de diversas negociatas armadas em todos os seus dois e longos anos de gestão. Com isso, ele conseguiu o que tanto almejava, se manter no cargo, apesar de não ser possível realizar seu grande sonho, que é aprovar a polêmica reforma da Previdência, um fato que ele afirma ser sua credencial para a reeleição em 2018.

Ele ainda tentou mais uma cartada para salvar sua popularidade, entretanto, caiu em queda desde o escândalo, não se recuperando até então. Em parceria ao governador do Rio de Janeira, Luiz Fernando Pezão (MDB), Temer mostrou sua ideia de uma intervenção federal no Estado, criando até mesmo um novo ministério de segurança para lidar com questões públicas. Tal estratégia tinha o intuito de atrair novos eleitores de caráter conservador, reforçando a idéia de recuperação econômica e fortalecendo seu nome na corrida presidencial.

Apesar de todos os esforços, a estratégia não mostrou o efeito desejado e, em poucos meses antes da eleição, Temer mostra sua fragilidade, entregando suas esperanças de governar o país novamente. Agora, o presidente visa um acordo com o MDB ou até mesmo impulsionar a candidatura de Henrique Meirelles, no mesmo tempo em que se prepara para as futuras avalanches de denúncias que virão no fim de seu foro privilegiado, em 2019.

 

https://br.blastingnews.com/politica/2018/05/ministros-organizaram-demissao-temer-salvou-governo-com-estrategia-politica-002580587.html

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*